Desleituras #12 - O Chapéu


Bem vindos de volta a Desleituras, o podcast com áudio contos, histórias e textos encontrados em gavetas digitais da internet. Em nosso décimo segundo episódio, fazemos a narração do conto O Chapéu, do autor curitibano Jeferson Nichel.

Se você, que além de ouvinte é também escritor, profissional ou amador, quiser ter seu conto ou história lido aqui, mande o texto para pensadorlouco@gmail.com e será lido com muita honra (e teus créditos como autor devidamente afirmados e divulgados).

Ouça no player acima (ou abaixo) direto do navegador ou baixe para teu smartphone ou MP3 player abaixo (clicando no link com o botão direito e escolhendo “Salvar link como”). Assine nosso feed clicando no menu superior em “Nossos Feeds” ou via QR Code, no lado esquerdo da página, para adicionar nosso podcast no teu celular ou agregador de feeds. E acima de tudo, espero que goste do som.



CLIQUE ABAIXO PARA OUVIR O EPISÓDIO

DOWNLOADS DO EPISÓDIO

LINKS RELACIONADOS AO EPISÓDIO

DESLEITURAS NAS REDES SOCIAIS

OUÇA TAMBÉM CLICANDO ABAIXO

12 comentários:

  1. Excelente conto e me deixou tonto zoado com a historia do pepelão do mendigo huehuhuehuhe Gosto muito de quando tu narra as historias e to texto caiu certinho com a musica que tu escolheu parabens ae huehuheuheuheu

    ResponderExcluir
  2. Que bom que curtiu, Alex. O momento do papelão foi mesmo um divisor no conto, uma sequência muito bem escrita.

    Obrigado também pela divulgação que tem feito. Espero que, apesar de teus percalços com a internet, você continue aparecendo que tua presença é sempre muito bem-vinda.

    Grande abraço. 8)

    ResponderExcluir
  3. Como sempre, excelente narração e edição do Pensador Louco! Muito obrigado pelo espaço e espero que tenham gostado do conto!

    Abraços,


    Jeferson

    ResponderExcluir
  4. Eu é que agradeço por você ter participado com um texto tão legal.

    Abração pra você e todo o sucesso do mundo, dentro ou fora da literatura. 8)

    ResponderExcluir
  5. Conto excelente e narração primorosa. Tive que voltar na parte do papelão porque pensei que tinha perdido alguma coisa,hehehe.


    Muito boa também a ideia de encerrar com uma música temática.


    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Faaaaala, grande Marc. Que bom que gostou do conto, eu o achei muito bom também, com seu estilo sucinto de passar as informações do que ocorre com os personagens.

    E que bom também que curtiu a música de encerramento. Foi realmente uma boa ideia, porque o Delseituras estava mesmo fechando meio que a esmo depois da leitura de comentários, e a ideia veio bem a calhar. Sei que pencas de podcasts já usam essa mesma premissa pra se terminar programas, mas funciona em todos eles e resolvi adotar, hehe.

    Abração e passe sempre por aqui, você já é daqueles poucos que pode ir chegando sem avisar e abrindo a geladeira pra pegar uma cerva. 8)

    ResponderExcluir
  7. Rogério B de Miranda18 de outubro de 2015 11:46

    Muito bom o conto. Confesso que fiquei meio perturbado e o ouvi duas vezes seguidas para me situar melhor.
    A trilha, a forma de narrar... tudo perfeito..
    Parabéns ao autor e a ti.

    ResponderExcluir
  8. Opa, que bom receber teu comentário e visita novamente, meu amigo.


    Também considerei o conto bastante perturbador, Jeferson Nichel mandou muito bem, é um escritor de mão cheia.


    Quem sabe, uma vez que estou ciente de você também gostar de escrever, o senhor não me dá a honra e participar aqui também com um texto teu? Aguardamos.


    Abração e volte sempre. 8)

    ResponderExcluir
  9. Obrigado, Rogério. Fico muito feliz que tenha gostado!

    Abração

    ResponderExcluir
  10. Concordo contigo. Sem perceber, podemos ser qualquer um dos personagens: os amigos, o protagonista, o mendigo, o motorista...
    Parabéns ao autor e ao narrador!

    ResponderExcluir
  11. Opa, ouvinte novo comentando. Sempre uma boa notícia.

    Muito obrigado pela visita e comentário, e espero que continue voltando sempre para checar as novidades. Sobre o texto, acho que você tem toda razão e a força do texto reside justamente nisso.

    Grande abraço. 8)

    ResponderExcluir
  12. Obrigado por prestigiar, Athus!


    Abraços

    ResponderExcluir