Som no Caixão #46 - Eles São Tudo Menos Nada



Olá ouvintes que ainda acreditam no poder do rock nacional e bem-vindos de volta ao Som no Caixão, um podcast sobre bandas, artistas e álbuns que são simplesmente foda e ponto final. Em nosso episódio n° 46 faremos a resenha e audição do álbum de estreia da banda brasileira de rock Tantra.

Ouça no player acima (ou abaixo) direto do navegador ou baixe para teu smartphone, PC ou MP3 player abaixo (clicando no link desejado com o botão direito e escolhendo “Salvar link como”). Assine nosso feed clicando no menu superior em “Nossos Feeds” ou via QR Code, no lado esquerdo da página, para adicionar nosso podcast no teu celular ou agregador de feeds. E acima de tudo, espero que goste do som.



CLIQUE ABAIXO PARA OUVIR O EPISÓDIO

 
LINKS PARA BAIXAR O EPISÓDIO

LINKS RELACIONADOS AO EPISÓDIO

VÍDEOS RELACIONADOS AO EPISÓDIO

Vídeo da banda Andromeda Eye


Tropicália – Tantra


Segmento sobre Van Gogh do filme Sonhos, de Akira Kurosawa


 

SOM NO CAIXÂO NAS REDES SOCIAIS

CLIQUE ABAIXO PARA OUVIR O EPISÓDIO

17 comentários:

  1. Puta som pensador me lembro as banda do inicio dos 90 mesmo e o som som ficou massa huehuehuheuheuhe essa da capa do disco eu pegava fácil com o sem prego na cabeça e fiquei um puta tempo soh falando pra cima pra baxo foi programação mental huheuheuhue abração

    ResponderExcluir
  2. Cris Crááááááááiiiiiiiine28 de novembro de 2015 07:34

    Alô Pensador, muito bom o episódio e muito bacana a banda!


    A capa do The Kill parece as capas da revista Cripta! Alias recomendo este blog http://projetografipar.blogspot.com.br/ prá quem curte quadrinhos de horror e erotismo (que acabam dando no mesmo) nacionais.

    ResponderExcluir
  3. Grande Alex, como não tenho ideia de tua idade nem sabia que vossa senhoria gostava das bandas noventistas, mas você está certo. O som deles é mesmo ótimo.

    Rapaz, pelo visto deste e teu último comentário, você está mesmo matando cachorro (ou cachorra, no caso) a grito. Vai num bar de solteiro, vai. Um que toque roquenrou, de preferência [brincadeira].

    Sinto muito pela lavagem cerebral, mas realmente é difícil deixar de pensar em coisas para cima e para baixo e para cima e para baixo e para cima e para baixo e para cima e para baixo e para cima e para baixo... ops... depois de ouvir essa letra. Espero que não tenha ficado deprimido.


    Abração e volte sempre. 8)

    ResponderExcluir
  4. Cris Crááááááááááááááááááááááááááááááááááááiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiine, sentia falta de tuas visitas!

    Bem vindo de volta e que bom que curtiu o som deles. Sou um fã confesso da música nacional de rock até tudo ter descambado no final dos anos 90, e acho Tantra excelente. Acho ótimo que tenha gostado também.

    Sobre a capa da banda, sinto discordar brevemente. Lembro das Kryptas e elas tinham capas excelentes, feitas por artistas do calibre de Frazetta, Valejo e etc. E essa em questão parece apenas a tentativa de emular uma capa assim, por algum corno que fez curso de desenho no I.U.B. (não sei se se lembra disso).

    Em compensação, estou babando no link que você compartilhou. Acredite, eu fui amamentado por essas revistas no final dos 70/início dos 80, e ver um acervo assim deixou até minhas sobrancelhas eretas! Muito bom!

    Cresci lendo revistas de horror/eróticas nacionais desenhadas por mestres como Mozart Couto (o qual conheci online e é muito gente boa, além de um artista a nível monstro), Watson Portela. E. C. Nickel, Eugênio Colonesse, Flávio Colin e muitos outros. Essas publicações, as quais por vezes nem passavam de duas ou três edições antes de mudarem de nome e tentar de novo, eram recheadas de algumas das melhores obras nacionais em quadrinhos de todos os tempos.

    Muito obrigado mesmo, de coração. Tenho material agora pra reler pelo resto de minha breve vida!

    Abração e volte sempre. 8)

    ResponderExcluir
  5. Fala Pensador!

    Muito boa banda. Não conhecia. Interessante como aqui no Brasil só emplaca mais do mesmo. Sou mais um que nem ouve rádio hoje em dia. Posso tá viajando com o som, mas em O Lobo da Estepe senti um quê de Smashing Pumpkins. Foda.

    Além desse pastor falando merda, parece que teve também o "jornalista" William Waack chamando a banda de Angels of Death Metal na Globo.

    Essa capa do Pandemonium é tipo o que aconteceria se Rob Liefeld desenhasse na Heavy Metal ou Kripta.

    Antes de ir, R.I.P Phil, e a noticia sobre o Alice Cooper me lembrou Christopher Walken nos Simpsons.

    Abraço!

    https://www.youtube.com/watch?v=FZ1mdBYrFBU

    ResponderExcluir
  6. Rogério B de Miranda29 de novembro de 2015 04:06

    Muito, mas muito bom o som. Ouvi Tantra em alguma época da minha vida passada, não lembro quando, mas ouvi... São os neurônios morrendo possivelmente.
    Anos 90 com cara de anos 70 de melhor qualidade. Fui até na cozinha, mas só achei Shitakes, ainda bem rs Não tenho mais idade para isso...
    Que porra de capa é essa? Putzgrila, muito mal feita.. Não dá a menor vontade de ouvir o som,
    Quanto ao imbecil do pastor, falar merda sem saber o que está fazendo é uma desgraça, o pior são as pessoas que seguem o que é dito sem nem olhar no Google para ver do que se trata.
    Fiquei sem palavras;;;
    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Hahahahahaha! Sensacional, Marc. Não conhecia essa do Christopher Walken, e achei ótimo. Pobres crianças, já imagino Alice Cooper começando a narração com "children, welcome to my nightmare".

    Sobre o Tantra, eu não tinha percebido isso, mas o som realmente tem muito de Smashing Pumpikins. Lobo da Estepe é de longe minha favorita. Uma pena que bandas desse calibre estejam no rol das desconhecidas do grande público que só quer saber de Pablo e esses horrores similares.

    Rádio eu parei de ouvir no final dos 80. Mais ou menos quando a "maldita" Fluminense fechou e a transamérica ficou bosta. Na real, nunca gostei de mídias que ficam dizendo o que devemos ouvir, mas antigamente não tinha internet e era mais difícil o acesso sem esses veículos. O triste é ver que agora, que existem todos esses meios de chegar a boa música fácil e gratuitamente, a massa continue apenas ouvindo merda.

    Aquela capa, nem sei o que dizer. Rob Liefeld vibes total. Não sabia dessa do jornalista. Não há mais pré-requisitos para se ser padreco ou jornalista no mundo mesmo. Qualquer boçal serve, e merdas assim ficam sendo vomitadas de vez em quando.

    Abração e valeu pelo comentário. 8)

    ResponderExcluir
  8. Roger, acho que devemos ter ouvido juntos tantra naquela época, entre uma ou outra caixa de cerva gelada pra assassinar nossos neurônios. O som deles realmente mata a pau. Várias referências e estilos, e hoje em dia você ouve gentalha escutando Chimbinha e chamando ele de gênio (vide o vídeo abaixo).

    A capa do Pandemonium é realmente qualquer coisa. Não dá pra imaginar quem poderia aprovar algo assim. Deve ter sido muito shitake mesmo. E cru, ainda por cima.

    O pastor colocou a França no mesmo nível de Sodoma e Gomorra. Um corno desses deveria ser apedrejado com fandangos mofados pra ficar doente e parar de falar merda. Fezes proclamadas neste nível podem fazer realmente mal, caso algum boçal com menos cérebro ainda passe a achar que é correto esse tipo de desgraça.

    Abração, Roger, e volte sempre. 8)

    https://www.youtube.com/watch?v=0BWdtnTj40E

    ResponderExcluir
  9. Cris Crááááááááiiiiiiiine29 de novembro de 2015 10:06

    Realmente este blog da Grafipar é um achado! A revista KRYPTA era muito boa mas eu me refiro mesmo a CRIPTA, uma cópia descarada da original que tentava surfar na semelhança do nome!
    Mas apesar de tosca nostalgicamente me lembra também as capas das bandas nacionais de heavy dos anos 80 tipo Vulcano, Salário Mínimo...


    Abraços!

    ResponderExcluir
  10. Putz, você me quebrou nessa. Realmente havia a Krypta e a Cripta, e só forçando a memória me lembrei que havia essa nacional, sim. Obrigado pelo puxão de orelhas. Desde que te respondi o comentário, já baixei algumas revistas lá e é só amor.

    As capas brasileiras dos anos 80 oscilavam entre o legal e o sofrível. Nem sepultura escapou de ter capas ruins. Lembro de como curtia Stress, Detrito Federal, Overdose, Taurus, Azul Limão. Salário mínimo era bom porque eles usavam as mesmas calças de látex que o Iron Maiden (horror). Muito bom!. Acho que um dia farei um SNC especial só sobre esses "quesitos velharias".

    Excelente. 8)

    ResponderExcluir
  11. Putz, você me quebrou nessa. Realmente havia a Krypta e a Cripta, e só forçando a memória me lembrei que havia essa nacional, sim. Obrigado pelo puxão de orelhas. Desde que te respondi o comentário, já baixei algumas revistas lá e é só amor.

    As capas brasileiras dos anos 80 oscilavam entre o legal e o sofrível. Nem sepultura escapou de ter capas ruins. Lembro de como curtia Stress, Detrito Federal, Overdose, Taurus, Azul Limão (essa é icônica, veja abaixo). Salário mínimo era bom porque eles usavam as mesmas calças de látex que o Iron Maiden (horror). Muito bom!. Acho que um dia farei um SNC especial só sobre esses "quesitos velharias".

    Excelente. 8

    ResponderExcluir
  12. Olá Pensador Louco,como sempre ótimo cast a banda é realmente excelente,som pegado muito bom de ouvir.....quanto aos comentários um show à parte em relação à capa do The Kill faço das suas palavras as minhas...rsrsrs...Sucesso grande amigo!

    ResponderExcluir
  13. Bem vindo de volta, amigo Brotherics. É sempre um prazer receber teus comentários.

    Fico muito feliz que tenha gostado do Tantra, eles são realmente um exemplo a ser seguido no rock nacional. Pena que esse gênero tão bom tenha praticamente se perdido no lodaçal de música ruim comandado pela indústria fonográfica.

    A capa do álbum realmente é sofrível. Deve ser a isso que a tal "sofrência" do Pablo se refere. Que horror. Uma capa capaz de acabar com a carreira de uma banda.

    Grande abraço pra você, espero que passe sempre pra ouvir as novidades. 8)

    ResponderExcluir
  14. Alan Rodrigo de Almeida8 de janeiro de 2016 14:18

    Loucura esse cast.

    ResponderExcluir
  15. Alerta de ouvinte novo! Seja bem vindo, Alan. Espero muito que tenha gostado e que volte sempre que der na telha pra conhecer as novidades.

    Abração. 8)

    ResponderExcluir
  16. Que grata surpresa foi conhecer o Som no Caixão! Parabéns por esse excelente cast!
    Mal terminei esse episódio e já coloquei para tocar o próximo (estou adorando

    Superbus).
    Gostei muito do formato, misturando notícias, informação e músicas. Sempre me interesso por buscar coisas novas, e sentia muita falta disso nas rádios. Seu cast é melhor do que qualquer programa que já ouvi e qualquer rádio, e gostei muito das indicações.

    As análises das capas e letras bizarras são sensacionais, e existe tanta tranqueira por aí que esse quadro poderia se tornar um programa inteiro!


    Grande abraço do mais novo viciado no Som no Caixão!

    ResponderExcluir
  17. Salva salva, grande Bruno! É sempre um prazer receber novos comentários de novos ouvintes, e me sinto honrado que tenha gostado do cast.

    Fico muito feliz que tenha curtido o formato, e você está certo sobre o bolha da semana (nosso bloco de tranqueiras). É tanta ruindade por aí a solta que eu poderia fazer um cast apenas pra falar deles, apenas citando as bizarrices ditas, escritas e impressas do mundo da música. É o que sempre digo, ser músico famoso nem sempre é acompanhado de sabedoria, e por isso me dedico tanto a resenhar bandas e artistas pouco conhecidos no Brasil; é deles que vêm as boas surpresas e músicas.

    No mais, espero que volte sempre que quiser e espero também continuar não decepcionando. Abração. 8)

    ResponderExcluir